Últimas
  Flamengo chega ao Catar e vai encarar o Al-Hilal // Piauienses repudiam manobra do PT para aprovar reforma da Previdência // Polícia conclui inquérito e cita 13 policiais envolvidos em crimes // Justiça no Brssil só para quem compra sentença // Justiça brasileira só enxerga quem pode comprar sentença //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
 
 
Dória autoriza polícia a matar em São Paulo e perguntar depois

Governador autoriza matança em São Paulo

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou nesta segunda-feira, em coletiva no Palácio dos Bandeirantes, que a atuação da polícia de São Paulo não terá alterações após as mortes de 9 jovens na comunidade de Paraisópolis , Zona Sul de São Paulo, na madrugada deste domingo.

— A PM segue rigorosamente todos os protocolos. Isso não significa que seja infalível. Determinei que a apuração seja rigorosa e plena. Mas a política de segurança pública não vai mudar. As ações em Paraisópolis, bem como outras comunidades do estado, sejam por obediência à lei do silêncio, busca e apreensão de drogas, ou roubo de bens, vão continuar. A existência de um fato não inibirá as ações de segurança no estado de São Paulo — afirmou Doria.

O governador definiu possíveis erros da Polícia Militar no evento, a serem investigados, como “excessos circunstancialmente cometidos ali”.

— Determinei apuração rigorosa dos fatos, sobretudo daqueles que entendemos que merecem ser investigados em profundidade — afirmou.

No último dia 27 de setembro, Doria declarou que não era prioridade de sua gestão reduzir o índice de letalidade durante ações da polícia no Estado. Nesta segunda-feira, ele reafirmou essa posição.

— A letalidade [nesse caso] foi provocada por bandidos e não a polícia, tanto que o baile continuou. E ele nem deveria ter sido realizado — disse o governador.

Para o general João Camilo Pires de Campos, secretário de Segurança Pública do estado de SP, o inquérito deve investigar quem eram os organizadores do evento e também os motociclistas que, segundo a PM, iniciaram o tumulto ao atirar contra policiais que monitoravam os arredores do baile funk.

Nossa opinião

A editoria do Jornal da Cidade, ao acompanhar o desenrolar dos fatos, conclui que Dória é mais uma aberração da natureza e joga no mesmo time do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, ou seja: é assassino também.

Ao dizer que após a tragédia em Paraisópolis-SP, durante um baile funk, onde a polícia chegou para matar é somente mais uma atitude de rotina, o governador de São Paulo assinou a sentença de morte de mais pessoas que não rezarem na sua cartilha e autorizou a matança oficializada.

Há outros meios para conter os bailes funks na periferia do seu Estado que não seja pela força dos cassetetes e dos fuzis. Para tanto, basta uma cabeça pensante equilibrada ao ponto de pensar outra forma de evitar a chacina. Como estamos em um país de vagabundos políticos e de toga, tudo pode até segunda ordem.

 




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 99942-2747 - (86) 3222-5832 - (86) 99520-1308, ou pelos E-mais:
vilsonsanttos@bol.com.br
nilson_1@hotmail.com