Últimas
  Prefeito Firmino chama deputado Franzé Silva de ignorante político // Ciro quer a prefeitura e o governo do estado // O bandido desacata a população e a Justiça brasileira // Bolsonaro: Lula continua com os crimes nas costas // STF solta Lula e justifica apadrinhamento político //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
 
 
Piau entre os estados que no cumprem limite de gastos

A irresponsabilidade com a responsabilidade fiscal

O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, afirmou nesta sexta-feira (27) que 10 dos 19 estados que renegociaram dívidas com a União não conseguiram cumprir limite de despesa.

“Eles perdem todo benefício do alongamento e têm de pagar o extra de juros que deixaram de pagar nos últimos dois anos. É uma conta de mais de R$ 30 bilhões", disse o secretário. As informações são da Agência Brasil.

Dos 10 estados que forneceram informações, apenas Amazonas, Amapá, Bahia e Tocantins estão enquadrados na lei. Entre esses, os cinco maiores excessos percentuais são de Roraima (11,79%), Amapá (5,34%), Piauí (4,98%), Pará (4,91%) e de Sergipe (4,70%).

De acordo Mansueto, os estados ainda serão notificados e poderão recorrer administrativamente e judicialmente. Questionado, não citou os estados com problemas para cumprir o limite de despesa.

Em 2016, a Lei Complementar 156 permitiu o alongamento da dívida dos estados com a União por mais 20 anos e a suspensão do pagamento mensal de juros do segundo semestre de 2016 até junho de 2018.

A única exigência para a renegociação foi que os estados se comprometessem a limitar a despesa primária corrente (despesas com pessoal e custeio) ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2018 e 2019.

Caso os estados não cumpram com essa obrigação por dois anos consecutivos, perdem o benefício do alongamento da dívida e ainda teriam que pagar, em 12 meses, todo o benefício de redução dos juros que tiveram desde 2016.

Segundo o Tesouro Nacional, o problema é que há estados, inclusive alguns com boa situação fiscal, que não conseguiram cumprir com a exigência de limite de crescimento da despesa, porque a queda da inflação foi maior do que a esperada quando da assinatura da lei.

O Plano de Promoção do Equilíbrio Fiscal (PEF) encaminhado em junho ao Congresso Nacional resolve a situação, porque dá prazo de dois anos aos estados para se reenquadrarem no teto de gastos e cinco anos para adequação aos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), informou o secretário.




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 99942-2747 - (86) 3222-5832 - (86) 99520-1308, ou pelos E-mais:
vilsonsanttos@bol.com.br
nilson_1@hotmail.com