Últimas
  Povo faz doação a procurador que só ganha R$ 24 mil por mês // Começam a rolar cabeças pelo fracasso do trânsito // Morre, aos 67 anos, o cantor português Roberto Leal // Colégios no Piauí acusados de emitir diplomas falsos // Trabalhadores dos Correios cruzam os braços no Piauí //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
 
 
Justiça começa a prender os picaretas do Biticoin no Brasil

Cláudio Oliveira: um dos picaretas que roubam o incauto investidor

A picaretagem e os roubos contra os desavisados investidores da moeda chama Biticoin está chegando ao fim com a prisão e bloqueio de bens de um dos seus maiores ladrões do dinheiro alheio, um tal de Cláudio Oliveira, mantenedor do Grupo Bitcoin Banco (GBB).

Em maio deste ano, o Grupo Bitcoin Banco (GBB) entrou em uma grave crise após anunciar ter sido alvo de uma fraude, isso em meio a um sucesso crescente na comunidade. O grupo está por trás da exchange NegocieCoins, que em abril disse ter a maior movimentação de criptomoedas do mundo, com US$ 900 milhões.

Cláudio Oliveira, dono do GBB, também estava em ascensão no primeiro semestre. Participando de grandes eventos e ampliando seu negócio, ele ganhou o apelido de "Rei do Bitcoin" do apresentador Amaury Júnior. Agora, junto com o grupo que criou, enfrenta muitas dificuldades, incluindo processos e penhora de bens.

Na última sexta-feira (16), Oliveira foi alvo de uma de sequestro de bens, que inclui sua casa em Curitiba e sua chácara, além de obras de arte, relógios e joias. Segundo informações do jornal Valor Econômico, porém, os itens chegaram a ser empacotados, mas não foram levados após uma promessa de quitação dos débitos nesta segunda.

Na semana passada, o jornalista Lauro Jardim, de O Globo, afirmou que Oliveira está com passagem comprada para a Suíça para esta quarta-feira (21). Com cidadania do país europeu, aumenta a tensão entre os credores do GBB de que o executivo possa estar tentando fugir e ficar na Europa.

O Bitcoin Banco denunciou em maio um esquema que levou ao saque indevido de cerca de R$ 50 milhões da empresa, que decidiu suspender a retirada de valores dela e congelar as contas dos clientes. Desde então, já são centenas de processos contra o GBB de pessoas lesadas.

Já são várias  decisões da Justiça para bloqueios valores da empresa, em uma delas, de R$ 6 milhões, foram encontradas contas vazias, levando ao valor bloqueado de apenas R$ 130 mil.

Com duas exchanges – a NegocieCoins e a TemBTC -, o GBB tinha uma "arma" na mão, garantindo ganho ao alternar a posição entre as duas e ainda sustentar a diferença de preço ao prover liquidez no mercado. Com isso, desde o início do ano, o grupo ganhava cada vez mais clientes e se tornava um dos "queridinhos" dos investidores.

Este crescimento foi graças à introdução de uma plataforma de segurança chamada FortKnox, que permite a transferência de fundos em reais diretamente entre as exchanges, sem depender do sistema bancário.

Nestes últimos meses, o GBB e Oliveira já fizeram promessas de que vão resolver os problemas, conseguiram diversos acordos, desde pagamentos pequenos até uso de uma criptomoeda própria, a Br2Ex, para garantir o saque de até R$ 30 mil.

Mas o caso ainda vai longe. Até agora, nenhuma destas "soluções" resolveu o problema e em muitos casos a história é que quem aceitou estes acordos também não conseguiu reaver seu investimento.

 




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 99942-2747 - (86) 3222-5832 - (86) 99520-1308, ou pelos E-mais:
vilsonsanttos@bol.com.br
nilson_1@hotmail.com