Últimas
  João de Deus ou do Diabo: de líder espiritual a estuprador // Meteram a mão no dinheiro do aeroporto da Serra da Capivara // Uber // Caminhoneiros dizem que estradas estão péssimas // Luciano Hulk não vê promessas de Bolsonaro úteis para o Brasil //
 


www.jornaldacidadepi.com.br

 
 
 
Promessas de candidatos fazem o Piauí um paraíso

Aí estão os precursores das maiores belezas prometidas para se eleger

O Piauí se tornou o verdadeiro paraíso nas promessas dos candidatos a governador, senador, deputado federal e estadual, diante das idiotices citadas por eles para conquistar o eleitor e seu voto. Este é o estado mais promissor e lindo do mundo. Se duvidar, você pode encontrar até mesmo a Santíssima Trindade na recepção desse novo Éden.

Os programas eleitorais na televisão dão mais brilho ao festival de promessas e demagogia dos candidatos de direita e esquerda. Sempre foi assim em campanhas eleitorais e, pelo jeito, ainda não será nesta eleição que mudará, apesar dos sinais de que os eleitores estão mais desconfiados e descrentes.

Quase todos os candidatos apresentaram uma ampla e sortida lista de promessas e compromissos que, provavelmente, não cumprirão se forem eleitos. E, pelo jeito, vem mais até o final da campanha – se os eleitores aceitam e acreditam, por que não fazê-las?

Seria ótimo que fosse possível construir todos os hospitais, postos de saúde, escolas e viadutos prometidos, porque são mesmo necessários. A população seria muito beneficiada se o Metrô se estendesse até a zona Sul e Norte e, mais além, à Santa Maria da Codipi, Porto Alegre e Timon; se os ônibus com ar-condicionado se espalhassem por todo o quadrilátero; e se finalmente saíssem do papel e das promessas de todas as campanhas. E ainda mais se o chamado deficit habitacional de 120 mil moradias fosse zerado.

Mas não será possível fazer tudo isso em quatro anos como prometem os candidatos. A lei orçamentária aprovada pela Assembleia Legislativa prevê apenas R$ 1,1 bilhão para investimentos, os recursos federais também andam curtos e sem perspectiva de crescimento, e a capacidade de endividamento está sujeita a limitações ditadas pela crise.

A julgar por seus discursos, os candidatos prometedores não querem vender nenhuma empresa pública e, principalmente os que estão à esquerda, não são simpáticos às parcerias público-privadas e às concessões, que poderiam viabilizar alguns projetos.

As promessas envolvem também reivindicações justas de servidores públicos, como o pagamento da última parcela dos aumentos salariais concedidos pelo atual governo. É um direito adquirido e garantido pela Justiça. Embora o trabalho de um policial civil do Piauí seja bem diferente do que o de um policial federal, a equivalência de seus vencimentos está assegurada desde a década de 1960, e é natural que eles briguem por isso. Os professores e demais profissionais da Educação têm direito a ter seus salários aumentados para cumprir meta do plano estadual de educação.

Atender às reivindicações justas dos servidores – para falar só nelas, porque há outras absurdas –, porém, depende da existência de recursos e da definição de prioridades. Quando se faz um gasto não previsto no orçamento, o governante tem de saber e dizer de onde será retirado o dinheiro, mas os candidatos prometedores falam como se fosse apenas uma questão de gestão ou de vontade.

A última parcela do reajuste dos servidores deve aumentar a folha salarial em R$ 1,6 bilhão por ano, mas o orçamento de 2019 prevê, para isso, R$ 227 milhões. Os prometedores não explicam com clareza de onde sairá a diferença. Além disso, há os limites da Lei de Responsabilidade Fiscal. Mesmo assim há candidatos que dizem que dinheiro não é problema.

Se houvesse racionalidade por parte dos candidatos, o que eles deveriam fazer é estabelecer o que consideram prioridades e se fixar nelas dentro da realidade. Dizer o que é possível fazer em quatro anos e com que recursos. Ou então mostrar qual é a disponibilidade financeira e deixar que, depois, os piauienses decidam o que consideram mais urgente e mais importante. Afinal, todos prometem aumentar a participação da população nas decisões e nas definições orçamentárias.

Mas, racionalidade não combina com nossas campanhas eleitorais, dominadas pelo populismo e pelo clima emocional deliberadamente criado pelos candidatos e seus estrategistas. Além disso, os candidatos não se limitam a prometer o que é justo e necessário, embora muitas vezes seja inviável. Assumem também compromissos cujo cumprimento beneficia apenas alguns grupos, em detrimento do conjunto da sociedade. Como os servidores públicos têm um grande peso numérico e são organizados, não relutam em aceitar todas as suas reivindicações.

Promessas mirabolantes e fora da realidade, compromissos que têm tudo para serem descumpridos, soluções simples – e inócuas – para problemas complexos, demagogia e populismo são parte integrante das campanhas eleitorais há mais de um século, mas esperava-se que uma nova realidade se impusesse aos políticos tradicionais. Até agora, continua tudo como era antes.




 







A notícia em Primeiro Lugar

Uma publicação do
Instituto Nonato Santos e
VND - Comunicação
Rua Tiradentes, 1358
(86) 3222-5832

 



Fale Conosco

O nosso propósito é levar a informação a todos os recantos do Piauí, do país e do mundo, com imparcialidade e respeito.

COMO ANUNCIAR

Para anunciar no Jornal da Cidade, basta ligar para:

(86) 99942-2747 - (86) 3222-5832 - (86) 99520-1308, ou pelos E-mais:
vilsonsanttos@bol.com.br
nilson_1@hotmail.com